amores expresos

domingo, 30 de setembro de 2007

RED HOOK TE DÁ ASAS.




Veja que coisa fofa estava hoje na porta do prédio. Uma asa de pombo. Deve ser coisa do cabeção. Hoje é sábado e Manhattam estava “bombando” como dizem por aí. Tinha muita gente e muita sacola. Sentei na Union Square e fiquei no meio da multidão analisando essa nossa espécie. Comprei uma camiseta essa com a frase da foto. É a melhor definição, podem acreditar. Isso aqui é um hospício chic, mas é isso aí Coca-Cola. E tem tanto rato no metrô que você acaba entendendo porque o símbolo da América é o Mickey. Eu já tinha usado essa? Não lembro. Tudo se repete. Muito bem, vamos aos fatos. O metrô aqui é como o metrô de São Paulo, no fim de semana algumas entradas das estações fecham. Fica funcionando apenas algumas entradas. Ontem eu desci em uma na Court St, Brooklyn e percebi que estava fechada. Havia uma senhora oriental que tentava a todo custo passar seu bilhete. Ela nao percebeu que estava fechada porque as grades dessa estação ficam depois da catraca e as catracas eletrônicas ficam desativadas. Fui tentar ajudar, no meu ridículo inglês e ela disse que não falava inglês. Arrisquei meu ridículo espanhol e ela riu. Comecei a gesticular e fazer mímica, mas ela não entendia, ou não confiava. Ela me levou até o mapa que fica pendurado em uma das paredes e apontou para o “você está aqui”. Só estávamos os dois naquela entrada. Eu sinalizei que devíamos sair e pegar o trem do outro lado da rua. Ela entendeu mas hesitou. No fim, acabou tendo que confiar em mim e me segui. Saímos da estação, esperamos o demorado farol da Court St abrir, atravessamos e então mostrei a entrada que estava aberta. Fomos até a catraca, nessa haviam várias pessoas e ela agradeceu e passou. Eu fiquei pois tinha que encontrar meu bilhete que por alguma razão, ou sem-razão, não estava na minha carteira. Encontrei o bilhete, dois aliás, na minha bolsa. Deixei as pessoas passarem e quando passei o primeiro fui informado de que não havia crédito. Passei o segundo e a mesma informação se repetiu. Então ouço um homem falando muito alto, olho para baixo, nessa estação você pode avistar a plataforma de embarque através de grades. Era um senhor oriental e ele falava comigo em seu idioma. Não conseguia entender, então ele apontou para a catraca. Eu olhei e lá estava a senhora me estendendo o seu tíquete através da grade. Agradeci profundamente. Fiz o gesto que os orientais costumam fazer para demonstrar gratidão. Não aceitei. Eu tinha dinheiro e precisava mesmo comprar o meu tíquete semanal. Esse pequeno gesto me tocou. Ela teve que subir toda a escadaria para ir me levar o tíquete e só queria retribuir minha ajuda. Bem, eu disse que Nova York não me impactou. Porque a arquitetura aqui segue os mesmos princípios da arquitetura católica. A arquitetura das igrejas. As igrejas tem suas grandes naves e seu pé direito altíssimo para fazer com que o homem se sinta pequeno. É a casa de Deus. Tudo deve impressiona-lo. Ele deve sentir-se pressionado e oprimido por sua arquitetura. Assim é Manhattam. O Deus é quase o mesmo. O bezerro de ouro, a moeda. Se você pesquisar um pouco sobre as inquisições verá que grande parte, a maioria, principalmente em Portugal e Espanha, das pessoas que foram para a fogueira eram judeus. Em Évora cerca de 90%. O interesse da igreja católica era se apropriar de suas posses, aproveitando para acusa-los daquilo que ela não aceitou ou se apropriou de sua filosofia. Para mim, a verdadeira diferença entre essas duas religiões e o que motivou tanto conflito está, meramente, na questão dos juros. Mas, essa é quase outra história. Os grandes edifícios e os juros altos não me impressionam. O que me toca são esses pequenos gestos. Como a senhora oriental subir todos aqueles lances de escada apenas para demonstrar a sua gratidão. Quando autografo um livro sempre escrevo essa palavra, gratidão.
Obrigado amigos,
Com gratidão,
Lourenço.

19 Comentários:

Blogger Anna Staschuk Ibaf disse...

Me encanta a maneira como tu consegues descrever coisas tão simples com tanta grandeza.
Um contratempo no metrô de Nova York vira uma odisséia sob a tua pena (com o perdão do exagero, se é que me entendes).
Delicioso te ler...
Abraços.

30 de setembro de 2007 08:44  
Blogger Realizador disse...

Grande Lourenço! Só uma coisa, o meu Cheiro do Ralo autografado não tem 'gratidão', é porque eu não paguei por ele(você me deu naquela palestra que fez quando a Cris Merlo te levou na faculdade)?
Se for investir na idéia das camisetas, tem uma bacana: 'I (caveira) SP' é uma sugestão interessante, ou então 'Free Oscar Maroni'.

Abraços, Luiz Murillo.

30 de setembro de 2007 11:48  
Blogger Azusa disse...

É, o meu também não tem 'gratidão', o meu tem um desenhinho e aquele dia choveu muito, tive que guardar nas profundezas ds minha carteira pra não se dissolver o papel.
Hoje eu tou triste, então não tem Madonna, na realidade tem, mas só pra comentar que ela sempre toma café na Starbucks aí e eu fiquei com vontade de tomar essa coisa.
Tô até com água na boca de vontade de tomar um expresso com chantily... humm...HUMMM!!!
Sabia que eu fiz uma capa 'alternativa' pro Cheiro do Ralo? Quem sabe um dia eu mostre pra você, mas isso pra quando você vier pra Curitiba lançar alguma coisa, né??? Né??? Né???
E, não se preocupe, até dia 2 nós estaremos enxendo o saco com nossos comentários, ah não ser que você não queira.
Abraços!

30 de setembro de 2007 13:37  
Blogger Laís Graf disse...

oohh...
tenho um companheiro pra pedir pra você vir pra Curitiba...
(o azusa)

O seu post ficou muito legal...
de verdade...
ficou muito bom...

fico muito "grata" de ler, todos os dias, os seus textos aqui do blog...

beijos, Lourenço...
Sucesso...

30 de setembro de 2007 13:55  
Blogger Evelina disse...

É Lourenço, são sempre os pequenos gestos os que mais nos tocam!

Adorei o trocadilho com a asa do pombo. Aliás eu sempre curto todos os seus trocadilhos, são muito inteligentes e divertidos!!

Decididamente vou sentir falta desse blog! Ah! Uma bronquinha (autorizada anteriormente pela Lucimar), vc não escreveu nada ontem(29/09); como teve coragem de fazer isso conosco, fominhas leitores? Pô, caramba, meu? Imperdoável!!!!!!!!!!!!

Foi brincadeirinha!

Um grande abraço

Evelina

30 de setembro de 2007 15:38  
Blogger Lucas disse...

Coisas, como a asa do pombo, sempre me intrigam... Por que ser� s� a asa e n�o o corpo inteiro?... Camiseta muito legal, e nunca pensei que o famoso Mickey poderia ter alguma coisa ligada com a multid�o de ratos que vivem no metr� n�o sei porque, mas isso(Mickey, multid�o de ratos e U.S.A.) me lembra Pop art...
Que pena que pena que esse blog est� com os dias contados...
Grande abra�o,
Lucas M.

30 de setembro de 2007 16:19  
Blogger ana sol disse...

grata!! muito grata por me possibilitar esse prazer de lê-lo, de acompanhar sua longa estadia nessa cidade, nessa parte de mundo. Mais alguns dias e estará de volta, para sua amada, grande amiga e comapanheira deste meu final de semana! Ei, vi seus gatinhos, e meu pai oriental os adorou. Ele também te agradece, lembrou da infância, já que sua mãe adorava gatos, na verdade, os orientais adoram...abraços sempre feliz pelas suas linhas escritas.
Aninha

30 de setembro de 2007 17:30  
Blogger Lucas disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

30 de setembro de 2007 18:16  
Blogger the lucas. disse...

Eu não tenho livro autografado, com gratidão ou que quer que seja.
Mas o post tá legal.

Seria uma boa idéia continuar com ele mesmo depois de voltar.
abrç.

30 de setembro de 2007 18:20  
Blogger the lucas. disse...

continuar com o blog no caso.

30 de setembro de 2007 18:20  
Blogger Joca Reiners Terron disse...

Isso tudo aqui tá bacana demais, Mutarelli.

Tou ansioso para ler seu livro.

Grandabrazo!

30 de setembro de 2007 20:58  
Blogger Sonia disse...

Lourenço, como sempre tocando no fundo d'alma...
Tem sido um grande prazer ler seus textos que captam todas as sutilezas dessa nossa vida tão estranha...
Bom retorno!! Todos ficarão felizes; até o Nankim!
Abraços
Sonia (irmã da Aninha)

1 de outubro de 2007 06:45  
Blogger Sonia disse...

Lourenço, como sempre tocando no fundo d'alma...
Tem sido um grande prazer ler seus textos que captam todas as sutilezas dessa nossa vida tão estranha...
Bom retorno!! Todos ficarão felizes; até o Nankim!
Abraços
Sonia (irmã da Aninha)

1 de outubro de 2007 06:46  
Blogger Liberland disse...

Curti muito a foto da asa do pombo.

1 de outubro de 2007 07:41  
Blogger Zed Stein disse...

Que conto, Muta. Lindo mesmo. E inspirador. Incrível. Um abraço,
Ronaldo Bressane

1 de outubro de 2007 19:17  
Blogger Marcio Teixeira de Mello disse...

Essa asa de pombo é o equivalente animal à orelha humana em Veludo Azul!

2 de outubro de 2007 21:23  
Blogger Liberland disse...

Ei, doutor!
Já voltou ao Brasil?
Foi bem de viagem?
Abraço!

6 de outubro de 2007 18:59  
Blogger Jhombre disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

1 de junho de 2008 10:33  
Blogger Jhombre disse...

Gostei do texto. Exceto da parte em que cita a "Igreja Católica", mas depois explico (quem sabe em outro momento escreverEREI isso).

1 de junho de 2008 10:42  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial