amores expresos

sexta-feira, 28 de setembro de 2007

Tira Dúvidas de Português



CALMA QUE AINDA NÃO ENTERRARAM O PRESUNTO!

Eu sei que comecei a me despedir, a agradecer e coisa e tal, mas vocês vão ter que me acompanhar até o último dia de viagem. Meu último post será, creio, no dia 2 já que embarco dia 3. E como sou meio ansioso gosto de chegar no aeroporto umas trinta horas antes. Hoje pensei em ajudar a vocês com dicas úteis, caso venham um dia a esta cidade. Primeiro lugar, parem de pagar aulas de conversação. Isso não existe aqui. Não tem conversa nenhuma. O que realmente é necessário saber , por exemplo, um pouco de pesos e medidas. Ou seja é essencial saber a diferença entre: small, medium ou large. Para pedir sua bebida e muitas vezes sua comida. Quanto ao café, basta pedir expresso, double shot. Isso se você gosta mesmo de café ou, dopio, se você estiver na Starbucks. É fundamental saber a diferença entre uptown e dowtown quando for pegar o metrô. E fique muito atento porque dependendo da estação, na verdade a maioria delas, no mesmo trilho que passa o trem F passa o trem V e ainda dependendo da estação pode passar o B e o D e eles vão para lugares completamente diferentes. Quando comprar algo com cartão de crédito e eles não acharem você tem uma cara muito confiável vão pedir sua ID. Seus documentos, sua identificação. Estudem um pouco a sonoridade numérica ou vão fazer como eu. O táxi deu $17. Como foi o segundo táxi que peguei e o primeiro que veio do aeroporto custou $70 eu achei que era o preço. Paguei $70 por uma corrida de $17 e ainda dei dois de gorjeta. A gorjeta faz parte da corrida. Dê 10% isso é o mínimo que eles aceitam. Claro que existe o taxímetro e basta dar uma olhada, mas eu nem olhei. Se alguém espirrar não diga saúde e sim “God bless you”. Em Portugal se diz “santinho”. Não existe o tal de “You are Welcome” como nossa professorinha ginasial sempre insistiu, basta o “you welcome”. Outra coisa sobre o metrô. A passagem custa $2 Dólares. Outro dia nao tinha trocado e dei uma nota de $20. A mulher me perguntou: “one?”. Eu respondi sim. Então ela me deu o bilhete com $20 dólares de carga. Isso é uma estupidez pois com $24 você compra o passe semanal e viaja muitas vezes mais. Outra dica se vier nessa época do ano, traga regata e chinelo de dedo. Consulte antes o clima na internet ou uma mãe de santo. Dica de utilidade pública: Na Times Square que é o centro do agito tem loja de tudo e naturalmente as lembrancinhas custam os olhos da cara. Pois saiba que se voC6e entrar nessas lojas cujo dono é indiano comprará belas camisetas com eu amo NY por $2 ou 10 por $7. É aquele presentinho ideal para levar para os parentes mala. Provavelmente essas camisetas foram extraídas de turistas que morreram de Ebola ou coisa pior, porque o pano é bom e a estampa parece mui resistente. Eu até pensei em fazer uma versão dessa clássica camiseta com os dizeres:
“I (coração) NY” pensei na versão “I (coração) KY”.
Outra dica é que dá para fazer dinheiro fácil aqui em NY basta você denunciar alguém, pode ser um amigo (vide fotos). E se você tiver a sorte de saber o paradeiro de Oshama ou de alguém que se pareça com ele, então ficará rico. Eu tenho um amigo que é sósia do homem, mas vive na Alemanha. Mesmo assim vou arriscar uma denúncia. Quem sabe eu não saldo a dona Visa e o Sr. Mastercard?
Amanhã quero ir cedo para Manhattam por isso já vou por esse post a noite. Obrigado pela presença e pelos comentários e lembrem que tem post até o dia 2.
Beijo a todos.

18 Comentários:

Blogger Evelina disse...

Ôpa! Obrigada pelas valiosas dicas!
Tenho uma pra vc. Que tal ao retornar, criar um blog e continuar se comunicando conosco, comentando seu trabalho com o livro por exemplo?

Um abraço!

A fã nº ?

28 de setembro de 2007 19:42  
Blogger j. caldeira disse...

a gente é que agradece, pelos textos, dicas e tudo mais...

apoio a idéia da moça aí de cima.

28 de setembro de 2007 20:46  
Blogger baldin disse...

Belos textos, cara. Curti bastante. Seus quadrinhos são os melhores que já li. Quando meu blog estiver reformulado quem sabe você possa dar uma olhada nos meus quadrinhos?

Grande abraço
-Guilherme

28 de setembro de 2007 20:50  
Blogger Lucas disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

29 de setembro de 2007 09:08  
Blogger Lucas disse...

Este comentário foi removido pelo autor.

29 de setembro de 2007 09:10  
Blogger Lucas disse...

Exclui os outros dois para fazer deles um só:
Muito obrigado pelas dicas,
Sou novo por aqui, mas nunca é tarde.
Estou pensando de desistir do curso de inglês e acordar que perdi algumas muitas horas de curso de inglês...
As fotos estão ótimas... Parabéns..
Abraço,
Lucas M.
E... Concordo com a idéia da Evelina.

29 de setembro de 2007 09:12  
Blogger Laís Graf disse...

hahaha, Lourenço...
ótimas dicas...
pode ter certeza que vou lembrar...

hmmm.... que boomm que você vai continuar escrevendo!
fico feliz...


beijos

29 de setembro de 2007 10:00  
Blogger Anna Staschuk Ibaf disse...

Que bom que ainda tem post até o dia 2!
Que pena que só tem post até o dia 2...
;D
Abraços!
P.S.: A dica da Evelina é imperdível, hã?

29 de setembro de 2007 12:19  
Blogger lucimar disse...

Também estou com a Evelina!!!
Vida longa ao blog!!!!!!
For a large blog!!!

29 de setembro de 2007 13:25  
Blogger Mônica disse...

se votos pra continuar puderem te convencer, aqui está o meu...
e é bom que se vc continuar o blog depois q for pra casa eu nao vou me sentir mal por desejar que vc nao volte pra sua familia...
M.

29 de setembro de 2007 18:06  
Blogger Pacha Urbano disse...

Ainda bem que aquele não era o último post.

Faço coro com os colegas que pedem que você mantenha um blog. É uma maneira muito legal de estar perto dos nossos autores preferidos. Como carrapatos.

29 de setembro de 2007 18:20  
Blogger Esther disse...

Lô gostaria muito que vc. continuasse o blog. É muito bom estar com vc. poder ler e viajar no que escreve, continue via, por favor???!!!! Largue de ser preguiçoso quanto est´´a bom isto aqui. Nos sentimos dividindo estes dias contigo meu amor. E rir faz bem, saiba que tenho dado belas gargalhadas com vc. e sem peninha de estar aí sozinho. Pois tudo está maravilhoso e vc. está chegando. Beijos meu grande LÔ.
Brilhante desenhista e escritor!

30 de setembro de 2007 14:03  
Blogger Foncati disse...

Mais um pra lista. Segue blogando, Lourenço.

1 de outubro de 2007 04:45  
Blogger Eri disse...

olá Mutarelli, gosto demais do teu traço como desenhista, que bom que encontrei num blog. Sou professor de literatura e também possuo um blog de literatura,http://literaturamusic.blogspot.com, se possível entre para dar-me uns toques. OK!!!

um abraço e sucesso!!!!

14 de fevereiro de 2008 14:21  
Blogger Anna Cláudia disse...

Boa tarde , estou com uma dúvida e preciso muito de sua ajuda a fim de recorrer uma questão de concurso, porém os recursos só serão aceitos até amanhã, dia 17/06/2008, se puder me ajudar, ficarei grata. O texto da questão é o que segue:

"Leilões de transmissão e geração, audiências e consultas
públicas, e uma infinidade de ações da Agência Nacional
de Energia Elétrica (ANEEL) despertam enorme interesse
da sociedade. Para fazer frente a esta demanda, a ANEEL
distribui textos em veículos de comunicação de todo o
país com informações sobre a Agência. E também envia
textos para as pessoas que se cadastram no seu site com
interesses específicos no setor elétrico."

11. Quanto às regras de acentuação, é CORRETO
afirmar que existem no texto:
A) 5 palavras proparoxítonas.
B) 4 palavras paroxítonas.
C) 5 palavras paroxítonas.
D) 1 palavra oxítona.
E) 3 palavras que contêm hiato.

A alternativa considerada correta foi a "D". As palavras, "setor", "fazer", "nacional", mesmo que não acentuadas, também são oxítonas, e protanto deveriam ser consideradas, correto? Eu marquei a alternativa "A" por considerar como proparoxítonas: públicas, Elétrica, veículos, específicos, elétrico. Veículos é uma proparoxítona mesmo, ou só hiato???
Obrigada desde já. Meu e-mail é
annaclaudiakk@gmail.com

16 de junho de 2008 12:47  
Blogger Lais Kelly disse...

Preciso analisar o anúncio abaixo baseado nas figuras de linguagem, favor me dá uma luz (rs):
"Tibetanos, Americanos, Iranianos, Angolanos, Cubanos. Eu prefiro chamar de humanos." Como poderíamos analisar essa frase???
Ah! Preciso dessa resposta até amanhã se possível.
Obrigada,
Adriana Lima.

17 de novembro de 2008 16:09  
Blogger luis felipe disse...

Quais são os tópico frasais de cada uma destas cinco frases ?

Acabo de regressar da Europa. Lá, como cá, os jornais investem pesado na tentativa de conquistar e fidelizar leitores. A mídia impressa perde leitores em todo o mundo. Aqui, felizmente, a crise ainda não se instalou com a força de outros mercados.

Televisão e internet são, freqüentemente, os bodes expiatórios. Os jovens estão "plugados" horas sem-fim. Já nascem de costas para a palavra impressa. Será? É evidente que a juventude de hoje lê muito menos. Mas não é só a moçada que foge dos jornais. Os representantes das classes A e B também têm aumentado a fileira dos navegantes do espaço virtual. A perplexidade do setor é enorme. Mas os equívocos estratégicos são ainda maiores.

Os jornais, erradamente, pensam que são meio de comunicação de massa. E não são. Daí derivam providências fatais: a absurda imitação da televisão, a incapacidade para dialogar com a geração dos blogs e dos videogames e o alinhamento acrítico com os modismos politicamente corretos.

Esqueceram que os diários de sucesso são aqueles que sabem que o seu público, independentemente da faixa etária, é constituído por uma elite numerosa, mas cada vez mais órfã de produtos de qualidade. Num momento de ênfase no didatismo, na infografia e na prestação de serviços - estratégias convenientes e necessárias -, defendo a urgente necessidade de complicar as pautas. O leitor que devemos conquistar não quer, como é lógico, o que pode conseguir na TV ou na internet. Ele quer informação de qualidade: a matéria aprofundada, a reportagem interessante, a análise que o ajude, de fato, a tomar decisões.

O noticiário de política, por exemplo, tradicionalmente forte nos segmentos qualificados do leitorado, perdeu vigor. Está, freqüentemente, dominado pela fofoca e pelo declaratório. Não tem notícia, mas sobra suposição sem fundamento e documentação. O marketing político avançou além da conta. Estamos assistindo à morte da política e ao advento da era do declaratório e da inconsistência. Políticos e partidos vendem uma bela embalagem, mas fogem da discussão das idéias. Nós, jornalistas, somos (ou deveríamos ser) o contraponto a essa tendência. Cabe-nos a missão de rasgar a embalagem e mostrar a realidade. Só nós, estou certo, podemos minorar os efeitos perniciosos do espetáculo audiovisual que, certamente, não contribui para o fortalecimento de uma democracia sólida e amadurecida

7 de outubro de 2009 21:17  
Blogger luis felipe disse...

espero resposta o mais breve possível, até amanha se for possivel.

7 de outubro de 2009 21:19  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial